Terça-feira, 21 de Março de 2006

Poemas: Dias Miguel

MENDIGO
Para que me serve ter memória,
Quando vivo esta triste história.
Nada é como contavam os antigos,
Pois o amor faz-nos sentir mendigos,
Esquecidos numa qualquer esquina de rua
Que bem podia ser a tua.
Protegendo-me do frio e da dor,
Vivo debaixo deste velho cobertor,
Implorando a Deus outra oportunidade,
Outra vida, um resquício de sinceridade.
Mas continuo perdido na recordação,
Suspenso e indigno de consideração,
Pelos que por cima de mim estão a passar
Com o único objectivo de me pisar.
Sou somente o momento de um solstício,
Um zé-ninguém, um mero desperdício,
Uma mentira cheia de verdade,
Branca escuridão na mais negra claridade.
Não sei como irá ser a continuação
Desta solene e infeliz oração,
Que é viver uma vida sem alguma paixão,
Num mundo sem a mínima compaixão.


Dias Miguel (Pseudónimo)
publicado por Equipa SAPO às 21:23
link do post | favorito
|
2 comentários:
De Alex a 21 de Março de 2006 às 21:41
Não bassta rimar. E muito menos verbos com verbos.


De Beta a 27 de Março de 2006 às 17:26
Boa!!!


Comentar post

.Uma página do

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Revista ler

. Afinal, o que importa não...

. Poemas: Auros Fontes

. Poemas: Virgínia Gomes

. Poemas: Naia Marques

. Poemas: Filipe M.

. Poemas: Dias Miguel

. Poemas (Anónimo)

. Poemas: Luisabela Coutinh...

. Mais poemas amanhã

.arquivos

. Julho 2012

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Aqui Vamos Nós

. Calendário de desfiles

.Links: poesia do séc. XX

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds