Terça-feira, 21 de Março de 2006

POemas: Sandro William Junqueira

De noite: não te grito

Não te grito, nem te cheiro

Quando as águas correm desabadas

Do alto do teu corpo

Feito cimento cru, feito osso.



Se fosse real teu inimigo

Haveria de pendurar laranjas

No limoeiro do quintal
em frente



Poderia
dizer-te as estrelas todas do caminho feito regresso

Morte



Não, nesta noite

Ainda haverá olhos atentos e poços deitados onde a água

Não se cansa dos buracos

Palavras rente ao silêncio dizer-te



Não, não te grito, nem te cheiro

E, quando caíres do alto dos nossos beijos

Como as beatas acesas dos dedos amarelos

E defronte o precipício ouvires gritar o meu nome

que não tarda:


já será dia nas luzes das candeias

publicado por Equipa SAPO às 17:52
link do post | favorito
|

.Uma página do

.pesquisar

 

.Julho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Revista ler

. Afinal, o que importa não...

. Poemas: Auros Fontes

. Poemas: Virgínia Gomes

. Poemas: Naia Marques

. Poemas: Filipe M.

. Poemas: Dias Miguel

. Poemas (Anónimo)

. Poemas: Luisabela Coutinh...

. Mais poemas amanhã

.arquivos

. Julho 2012

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. Aqui Vamos Nós

. Calendário de desfiles

.Links: poesia do séc. XX

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds